A brigada feminina do Daesh

18th
out. × ’14

Um retrato de como a extrema direita em tempos de crise pode seduzir a imaginação coletiva da classe média com discursos de autoridade, chauvinismo e promessas de privilégios de poder. Atenção, conteúdo explícito e relatos de violência sexual.


 

Video e trechos da matéria produzida pela CNN.

http://videobin.org/+882/b0z.html

Criada na Síria, a família de Khadija garantiu que ela tivesse educação. Graduou-se na faculdade e começou a ensinar em uma escola do ensino fundamental. Khadija descreve sua família e sua criação como “não sendo exacerbadamente conservadora”.

Quando os levantes na Síria começaram a há mais de três anos e meio atrás, Khadija se juntou às massas que começaram os protestos pacíficos contra o governo do presidente Bashar al-Assad.

“Nós saímos e manifestávamos. Os serviços de segurança nos caçavam. Escrevíamos nas paredes, tínhamos diferentes roupas pra trocar”, ela conta. “Esse dias eram incríveis.”

Mas foi quando os levantes entraram em uma espiral de caos e violência que ela diz ter começado a perder sua alma, sua humanidade.

A comandante da brigada, Umm Raya, sentiu o medo de Khadija “e se aproximou de mim e disse uma frase que nunca vou esquecer. Ela disse, ‘Somos duras com as infiéis, mas misericordiosas entre nós mesmas.”

Khadija foi treinada na limpeza, desmontamento e disparo de armas. Pagavam a ela $200 por mês e recebia rações.

Sua família sentia que Khadija estava deslizando, mas não tinham como a impedir. Sua mãe tentou lhe avisar.

Inicialmente, Khadija não prestou atenção aos avisos de sua mãe, seduzida pela sensação de poder. Mas eventualmente, começou a se questionar e questionar os princípios do Estado Islâmico.

“No começo, eu estava feliz com meu trabalho. Eu sentia que tinha autoridade nas ruas. Mas daí comecei a ficar com medo, com medo da minha situação. Comecei a ficar com medo até de mim mesma.”

Ela começou a pensar: “eu não sou assim.. Eu tenho graduação em educação. Eu não deveria estar assim. O que aconteceu comigo? O que aconteceu com a minha cabeça que me trouxe aqui?”

Posted in mídia | Com as tags , , , | Comments closed

Matéria com Anwar Muslim, do cantão de Kobani

18th
out. × ’14

Trechos da matéria para o Telegraph britânico.

“Estamos dependendo das munições que já tínhamos antes do ataque”, contou, falando por telefone de Kobani. “Não recebemos nenhum fornecimento militar ainda mas em breve vamos precisar de auxílio”.

“Kobani não vai cair mas o perigo de massacre ainda existe”.

“Os bombardeios da aliança estão focados nas posições do Daesh com armamentos pesados”, disse o sr. Muslim, que também é irmão da liderança do braço político da YPG, Salih Muslim. “São precisos e efetivos.

“Mas o Daesh ainda está controlando os lados sudeste e sul, enquanto que suas áreas de controle no oeste estão à cinco quilômetros de distância. A YPG continua controlando 70% da cidade.”

“O Daesh não está apenas enfrentando curdos em Kobani, está lutando em cidades sírias e iraquianas. Seus objetivos vão além do Oriente Médio,” disse.

“Estamos enfrentando um grupo terrorista de acordo com a ONU e junto com uma aliança internacional. Lamentamos que a Turquia não é parte dessa aliança.

“Os portões de travessia estão abertos para veículos de auxílio, para feridos e refugiados, mas precisamos dos suprimentos militares para resistirmos ao Daesh, e isso ainda é proibido.

“A YPG tem homens e mulheres bem treinados que estão defendendo seus territórios mas precisamos de um corredor humanitário e de armamentos para sermos capazes de resistir ao Daesh e eventualmente derrotá-los”.

Posted in mídia | Comments closed

Las mujeres kurdas emprenden una doble revolución

15th
out. × ’14

Karlos Zurutza
Do site tercerainformacion.es

“Me casé a los 14 y a los 20 ya tenía cuatro hijos”, recuerda Nafia Brahim. A sus 50 años, esta kurda de Siria trabaja para que ninguna otra mujer deje de ser dueña de su propio destino.

Brahim es una de las 12 integrantes de la asamblea que gestiona el Centro para la Formación y Emancipación de la Mujer de Qamishli, ciudad situada 680 kilómetros al noreste de Damasco.La suya es una acción multidisciplinar: “Organizamos talleres de alfabetización en lengua kurda, pero también de costura, informática, gimnasia para embarazadas… todo dirigido por y para mujeres”, explica Brahim a IPS.

Pero el curso más demandado, dice, es el de “mujer y derechos”.

“La emancipación de la mujer empieza por que ésta comprenda que tiene derecho a emanciparse, a ser un individuo capaz de dirigir su propia vida”, asegura Brahim, con el entusiasmo de quien pasó por ese proceso no hace mucho.

No ha sido fácil. Tras la rebelión de 2011 contra el gobierno de Siria, los kurdos que viven en este país apostaron por una neutralidad que los ha llevado a enfrentarse tanto al régimen como a la oposición. Desde julio de 2012 controlan las zonas en las que son mayoría, en el norte, donde disfrutan de unos niveles de autogobierno que les permiten desarrollar iniciativas como este centro para la mujer.

Por el momento, el papel femenino en esta región es palpable desde el mismo liderazgo del Partido de la Unión Democrática (PYD), mayoritario entre los kurdos de Siria.

“Todas nuestras organizaciones están vertebradas en cuotas de 40 por ciento para mujeres, otro 40 por ciento para hombres y 20 por ciento para individuos, independientemente de su sexo”, explica a IPS la copresidenta del PYD, Asia Abdala. Las razones hay que buscarlas en la doble revolución kurda en Siria, argumenta. “Por un lado están nuestras reivindicaciones como pueblo, salvajemente reprimido por Damasco durante décadas. Por otro, las de las mujeres en su conjunto. Y no vamos a caer en el error de esperar a que acabe esta guerra para recuperar nuestros derechos”, sentencia Abdala.

Hay 16 centros de asistencia a la mujer distribuidos por el Kurdistán de Siria, agrega.

Las mujeres aquí son mucho más visibles que en cualquier otro punto de Medio Oriente: visten el mono verde de la recién creada policía kurda, el azul del servicio de recolección de basura o el uniforme de camuflaje de las Unidades de Protección Popular, una milicia convertida ya en auténtico ejército.

Son periodistas en formación al ritmo que marca la guerra, profesoras de idiomas, activistas, como Ilham Ahmet, portavoz del Movimiento de la Sociedad Democrática (TEV-DEM), que nuclea a partidos políticos como el PYD y a un gran número de colectivos sociales, inclusive los que defienden los derechos de la mujer.

“La liberación de la sociedad en su conjunto empieza por la de la mujer”, dice Ahmet. “Es nuestra primera oportunidad de conseguir nuestros derechos y no vamos a desaprovecharla”.

Si bien los avances han sido sustanciales, todas en el centro de Qamishli saben que la suya será una carrera de fondo.

“Desde que abrimos este centro hace casi dos años hemos asistido a más de 150 mujeres. La mayoría huían de un matrimonio no deseado, muchas de ellas niñas”, recuerda Faiza Mahmud, de 55 años.

“N. Z., casada a los 15 con un hombre de 37 que la golpeó y se llevó al hijo de ambos”, lee Mahmud de su libro de registros.“R.T., de 16, violada y abandonada en Turquía por su marido de 43… Son decenas de casos como estos”, describe.

“Les ofrecemos apoyo legal y económico y mediamos con las familias para que se integren en una sociedad que las ha rechazado”, relata la más veterana del grupo junto al enorme mural con el rostro de Abdulah Ocalan, líder del Partido de los Trabajadores del Kurdistán (PKK) y preso en Turquía.

“Ocalan ha sido el único líder en Medio Oriente que ha defendido los derechos de la mujer”, asegura enérgica Mahmud, transmitiendo una simpatía hacia ese movimiento guerrillero, fundado en Turquía en 1978, que comparte todo el TEV-DEM.

Nuha Mahmud asegura que las mujeres árabes y cristianas también se acercan al centro en busca de ayuda.

“A menudo tenemos que mediar con la diócesis local para que facilite un divorcio, ya que para los cristianos es mucho más complicado que para los musulmanes”, explica esta voluntaria de 35 años “felizmente casada”.

En los siete meses que lleva trabajando aquí, dice haber asistido a un gran número de víctimas de violencia sexual.

“Son casos terribles porque la mujer violada, a menudo menor de edad, es incluso repudiada por su familia”, y muchas de las afectadas no reconocen haber sufrido un asalto sexual, añade Nuha Mahmud.

Su testimonio es corroborado por el informe que publicó en mayo la Federación Internacional de Derechos Humanos, denunciando el elevado número de violaciones sexuales perpetradas en Siria tanto por agentes del gobierno como de la oposición.

El “estigma social de las víctimas sigue siendo muy fuerte en la sociedad siria”, añade ese reporte.

A sus 16 años, Aitan Hussein conoce esa realidad muy de cerca. La más joven del grupo es, según sus compañeras, “pieza clave” para asistir a jóvenes de su misma edad.

“El trabajo conjunto entre mujeres de diferentes edades me permite tener una visión muy ajustada de lo que ha tenido que sufrir cada generación”, explica Hussein, quien compagina su labor en el centro con sus estudios de secundaria.

Esta activista precoz dice sentirse afortunada ya que su familia “no me impondrá ni matrimonio ni carga extra de ninguna clase”. Pero no parece ser suficiente para ella.

“No podemos quedarnos de brazos cruzados mientras se sigue abusando de las mujeres”, dice. “Tenemos que seguir luchando para que nada de esto vuelva a ocurrir, ni aquí ni en ninguna parte”.

Posted in artigos | Com as tags , , | Comments closed

CNT francesa em apoio a Rojava

15th
out. × ’14

cnt-francesa

Marcha da Confederação Nacional do Trabalho, seção francesa, em apoio a Rojava.

Leia o manifesto em francês aqui: www.cnt-ait.fr/solidarite-avec-rojava/

Posted in mídia | Com as tags , , | Comments closed

O horror encarado pelas famílias em Kobani à medida que o Daesh ataca

15th
out. × ’14

Por Catherine James
do site News.co.au.

inshallah

A explosão irrompe no vilarejo adormecido, às 3 da manhã. Em um instante, o pior terror de Zozan Ahmet Veli se concretizou — o Daesh chegou.

Pulou de sua cama, chacoalhando seu marido para que acordasse. Ele não se levantou.

Correu até suas crianças e sua mãe, atordoadas e já despertas pelo barulho da  bomba.

Outra tentativa desesperada de acordar seu marido se mostrou inútil. Ele estava lacrado em um sono profundo, induzido por remédios.

Outros no vilarejo com 50 lares de Zorzan já haviam começado a correr para o vilarejo vizinho, a 2 quilômetros de distância.

Nesse momento, tendo o terror tomado Zozan, ela fez a impossível decisão de fugir com seus três filhos e sua mãe — e deixar seu marido adormecido na cama.

“Não conseguimos trazê-lo”, disse Zozan. Cada família estava por conta própria.

Seu rosto jovem se contorce em sofrimento por ter sido forçada a escolher entre duas consequências horrendas.

O Estado Islâmico, infame por seu tratamento brutal e impiedoso com aqueles que derrota — especialmente mulheres — já era comentado por quase todo o ano à medida que os militantes tomavam faixas de território na Síria e Iraque, deixando um rastro de vidas e corpos mutilados em sua ascensão.

Então, dois meses atrás, rumores surgiram de que o Daesh se dirigia para o lar de Zozan, Kobani (Ayn al-Arab em árabe), uma província no noroeste da Síria com cerca de 400.000 pessoas que compartilha sua fronteira do norte com a Turquia.

Mas depois de três anos de conflito pelo país, com grande parte região do entorno já tomada pelo Daesh, para onde uma família pode ir?

Assim, como milhares de outras famílias, Zozan e seu marido permaneceram ao passo que os rumores se tornavam fatos — e os fatos causavam o terror. Em breve cairia sobre eles. Um vilarejo próximo conseguiu enfrentar a captura pelo Daesh por três dias. Mas com aquela explosão às 3 da manhã, Zozan sabia que a vez de seu vilarejo havia chegado.

Logo que conseguiram chegar à fronteira com a Turquia, esperaram como muitas outras milhares de pessoas antes de cruzar, mantendo uma esperança de que o Daesh poderia ser parado e eles poderiam voltar para casa.

Filas e mais filas de carros, caminhões e máquinas ainda lotam o portão da fronteira entre Síria e Turquia perto de Kobani, abandonados por seus donos que tinham esperança de cruzar com ao menos alguns de seus bens, mas foram informados pelas autoridades turcas de que não poderiam.

Agora, na relativa segurança da cidade turca do sul Suruç, Zozan chora por seu marido, com o qual não trocou nenhuma palavra desde a noite que fugiu do Daesh com seus filhos.

Seus dois filhos, de cinco e dez anos, e uma filha, de doze, sentam com ela junto com dúzias de outras famílias, todas espremidas em um quarto com nada além das roupas que vestem.

Histórias como essa transbordam só naquela sala, cada uma com sua marca particular de angústia. E essa sala é apenas um vislumbre dos aproximadamente 200.000 que se relata terem cruzado a fronteira nas últimas três semanas.

O doutor Mehmet Resul, um voluntário na primeira equipe de resposta médica na passagem da fronteira síria-turca, diz que as enfermidades físicas são a preocupação mais óbvia quando quando uma pessoa atravessa uma fronteira como refugiada, mas os problemas mais profundos são decorrentes do trauma que todos ali viveram.

Ele descreve um processo no qual as crianças foram avaliadas. Numa fase inicial da avaliação se pede a criança que escolha entre várias cores qual cor ela deseja usar para pintar.

“A maioria das crianças escolheu preto”, ele disse. “Isso não é comum para uma criança”.

“As crianças não são capazes de se expressarem com palavras tão bem como os adultos, mas também não são capazes de mentir sobre suas experiências”, acrescentou.

Um voluntário em um dos poucos campos de refugiados em Suruç, Abdullah Koceroglu, descreve como muitas das crianças que ele encontrou no campo de refugiados procuram pequenos recantos para descansar quando chega a noite.

Assim, de manhã, ele as presenteia com histórias e canções animadas.

“A melhor forma para esses crianças se recuperarem é tocar e cantar e sorrir muito”, diz.

No mesmo campo, Aysa Mehmet, de 17 anos, permanece em uma tenda plástica cinza com toda sua família — pais, três irmãs e dois irmãos.

É quente no acampamento, e ainda mais quente na tenda que mal deixa o ar passar. Aysa não fala há quase três dias, depois que sua família cruzou a fronteira até a Turquia na semana passada.

Sua única palavra agora, dita quando impelida a responder a alguém, é “inshallah” — que significa “espero que sim”, ou literalmente, Deus-queira.

Com seu humor imprevisivelmente fora de controle e vendo coisas que não estão ali — incluindo a crença de que voltou para sua cidade de origem — a família de Aysa está perplexa com o que ocorreu com ela.

As causas disso são claras para eles.

O pai e a irmã de Aysa descrevem em detalhes parecidos aos de Zozan e tantas outros como rumores da aproximação do Estado Islâmico seguiram por meses. Então, “repentinamente”, um dia estavam em seu vilarejo de 100 lares, Tahleq.

“Eu vi um soldado do Daesh cerca de 100m de minha casa”, conta seu pai Mehmet Mustafa.

“E daí veio uma bomba. E  disse para minha família partir. Eu os acompanhei depois.”

A família fugiu com o que puderam carregar, e então se acamparam na fronteira por dez dias antes de decidirem cruzar.

“Não queríamos atravessar. Esperamos [o Daesh ser derrotado]. Pesávamos que talvez conseguiríamos voltar para nossas casas”, diz Ceylan, a irmã de Aysu.

Foi na fronteira que o trauma de Aysu se pronunciou.

“Um dia quando estávamos atravessando a fronteira houve uma trovoada. Aysu disse, “Isso é uma bomba também”, e sorriu. Mas ficou muito mal depois disso”, disse Ceylan.

“Às vezes ela tem alucinações e vê coisas que não estão ali, como uma cobra ou um rato. Ela está sempre vendo algo que não está ali”, completa.

Apesar de agora não falar mais muito, sua família diz que ela é expressiva de outras formas.

“Ela pega nossas mãos e as segura com muita força”, seu pai diz.

Um médico voluntário no acampamento enviou Aysa para o hospital para receber tratamento. Apesar de ter sido mantida por uma noite no hospital para observação, quando ela retornou para o acampamento era claro que a pequena cidade estava mal equipada para pessoas com casos sérios como aquele de trauma psicológico. Tudo o que deram a Aysu foi uma medicação: 28 dias de antidepressivo e 4 comprimidos de antipsicótico.

De volta a tenda de plástico, Aysu parece alerta mas não interage com as conversas à sua volta. Ela vê o Alcorão, o livro sagrado do Islã, na almofada a sua frente e o agarra, abraçando-o contra o peito, beijando-o, e então o larga rapidamente na almofada.

Um médico a recorda que estão orando para que ela se sinta melhor.

“Inshallah,” ela responde.

Posted in artigos | Com as tags , , | Comments closed

Os curdos numa armadilha da História

15th
out. × ’14

Por Nuno Ramos de Almeida
14/10/2014

Visite o artigo original na página do Outras Palavras

outraspalavras

Estão cercados: Estado Islâmico e OTAN querem afogar a semente da liberdade e a ideia de que pode haver no Oriente Médio mulheres e homens iguais
No filme Yol, “caminho” em turco, realizado a partir da prisão pelo realizador curdo Yilmaz Guney, são contadas as histórias de cinco presos que saem em licença precária da cadeia. Um deles dirige-se para a sua terra, no Curdistão ocupado pelos turcos. Numa das sequências mais belas pode ver-se o esforço dos cavalos de correrem livres pelos campos salpicados de mortos, em que os cadáveres de centenas de pessoas massacradas são transportadas em camionetas de caixa aberta, literalmente a escorrer sangue. Yilmaz teve uma vida difícil. Curdo na Turquia a contar histórias das suas gentes cedo chamou a atenção das autoridades. Foi preso pela primeira vez em 1974 por albergar anarquistas. Continua a escrever e a filmar. É preso novamente e é condenado a 15 anos de prisão. A acusação é de estar envolvido num atentado mortal. Na Turquia todos os curdos estão condenados. A história da pseudodemocracia turca é a história das prisões dos deputados, dirigentes, militantes e votantes dos partidos curdos, que são legalizados para depois serem presos todos aqueles que aparecem à luz do dia. Ser curdo é, na melhor das hipóteses, uma condenação à morte. Regra geral, são condenados a viver numa ditadura para sempre. Yilmaz nunca aceitou as grades que lhe impunham. Libertou-se da prisão pela escrita e pelo pensamento, e com ajuda de camaradas conseguiu dirigir Yol, um filme duro feito de carne e osso que ganhou a Palma de Ouro de Cannes em 1986. Posteriormente conseguiu mesmo escapar da cadeia e refugiar-se em França. Os turcos retiram-lhe a nacionalidade. Morreu de câncer com 47 anos, mas morreu sem o ferrete do opressor.

Os curdos são vítimas das fronteiras de regra e esquadro traçadas pelo colonialismo. São a maior nacionalidade sem estado. São mortos no Irã, assassinados na Turquia, gaseados no Iraque, reprimidos na Síria. Os burocratas de Bruxelas e os comandantes de drones de Washington declararam “terroristas” as organizações que combatem pela sua libertação. A vida tem sempre vários lados; os resistentes franceses eram enforcados como terroristas pelos nazis. Os judeus que morreram de armas na mão nas ruas do gueto de Varsóvia foram apelidados de bandidos, criminosos, pela imprensa dos seus carrascos. Os curdos resistiram contra tudo e contra todos durante dezenas de anos. A seu favor apenas a vontade de ser livres.

Uma noite em que dormi numa casa do PKK em Madrid, estava na cidade para preparar uma reportagem que fiz com as FARC colombianas, e tinha combinado a possibilidade de ir em reportagem para as áreas controladas pela guerrilha curda, vi uma série de vídeos de propaganda. Alguns tinham imagens de manifestantes curdos que se imolavam pelo fogo nas ruas da Alemanha, numa tentativa desesperada de chamar a atenção para um povo condenado à invisibilidade.

Com a queda do regime secular do Iraque e a guerra civil da Síria. as áreas curdas ganharam liberdade. “A Região Autônoma da Rojava é um dos poucos pontos brilhantes a emergir da tragédia da revolução síria. Depois de expulsar os agentes do regime de Assad, em 2011, e apesar da hostilidade de quase todos os seus vizinhos, Rojava não só manteve a sua independência como constitui uma experiência democrática notável. Foram criadas assembleias populares enquanto órgãos de decisão final, os conselhos foram constituídos com um cuidadoso equilíbrio étnico (em cada município, por exemplo, os três principais responsáveis têm de incluir um curdo, um árabe e um assírio ou armênio cristão, e pelo menos um dos três tem de ser uma mulher). Existe um exército feminista, a milícia YJA Star (União de Mulheres Livres, a estrela refere-se à antiga deusa mesopotâmica Ishtar), que realizou uma grande parte das operações de combate contra as forças do Estado islâmico”, escreve David Graeber, antropólogo e ativista do Occupy Wall Street no The Guardian.

Hoje em Kobane, as centenas de combatentes curdos que se batem contra o Estado Islâmico — vigiados ao longe pelos tanques turcos, que estão lá para evitar qualquer vitória destas pessoas sobre a morte — são dirigidos por uma mulher. Mais uma vez os curdos estão cercados: o Estado Islâmico e a maior potência da NATO na região querem afogar em sangue a semente da liberdade dos curdos e provar que não pode haver na região um povo livre em que as mulheres e os homens são iguais.

Posted in artigos | Com as tags , , | Comments closed

Informe YPJ, 13 de Outubro

15th
out. × ’14

Com informações da Rojava Breaking News:

“Boa tarde, meu nome é Newroz Zagros. Como membro da YPJ, Unidades de Defesa das Mulheres, participei desta operação. Os mercenários [Daesh] planejavam nos atacar mas executamos uma campanha primeiro, capturamos essas armas dos combatentes deles e alguns de seus mortos estão em nosso controle.”

Posted in General | Com as tags , , | Comments closed

Um tributo em vídeo às forças da YPJ e YPG

12th
out. × ’14

26 dias de resistência. As forças voluntárias, com armamentos antigos e alguns improvisados, resistem à ofensiva brutal do Daesh com seus tanques, armas pesadas e o apoio logístico e material do governo turco. Abaixo um vídeo em homenagem à resistência nessa terrível guerra.

Bijî berxwedana Rojava! Viva a resistência de Rojava!

Posted in General | Comments closed

Tuitaço por Kobani

12th
out. × ’14

O tuitaço por Kobani já está acontecendo. A hashtag #Airdrops2Kobane (“Lançamentos aéreos para Kobani”) está em 3º lugar nos TT mundiais. Mas se ouvirmos realmente o que a população sob ataque está pedindo veremos que a hashtag correta é #AirdropWeapons2Kobane (“Joguem armas para Kobani”).

Para que o povo de Rojava resista a violência do Daesh e determine seu próprio destino através de seus próprios feitos pedimos:

#DeemArmasParaKobani #AirdropWeapons2Kobane #SaveKobane #Kobane

laptop

Posted in mídia | Comments closed

Entrevista com a YPJ

10th
out. × ’14

http://videobin.org/+878/b01.html

Posted in mídia | Com as tags , , | Comments closed